O Papel da Arte

DIEGO SAN e as xilogravuras da série “Iniciativa de sobrevivência”

DIEGO SANN: “Iniciativa de sobrevivência XIII”, xilogravura colorida, 2018.
DIEGO SANN: “Iniciativa de sobrevivência XIII”, xilogravura colorida, 2019.

Há que se falar de Diego Sann. Não gastarei aqui elogios a sua técnica apurada, tampouco a sua capacidade de composição plástica, onde a harmonia das cores revela o talento deste jovem mestre da xilogravura brasileira. Essas qualidades são o resultado esperado, após anos de dedicação e suor. A verdadeira arte, porém, é mais do que apenas técnica; ela precisa nos emocionar para que seu sentido seja esteticamente experimentado, e a razão de sua existência, comprovada.

Pretendo tratar, nestas poucas linhas, da poética na obra de Diego Sann, gravador brasileiro com vasto currículo, além de participações e prêmios em bienais nacionais e internacionais de gravura. Sua obra é um espelho que reflete o espírito criativo do artista, traduzindo em imagens o pensamento crítico social sem, contudo, cair na mesmice ou na simples panfletagem política; nela, o uso de palavras de ordem dá lugar à verdadeira função da arte: nos tocar, nos emocionar – e, sim,  quando possível, nos alertar sobre os caminhos e descaminhos da sociedade em que vivemos. Sua gravura é seu grito de dor que tem como fim chamar a atenção para aquilo que o incomoda: o grande abismo social do Brasil!

DIEGO SANN: “Iniciativa de sobrevivência IV”, xilogravura colorida, 2017.
DIEGO SANN: “Iniciativa de sobrevivência IV”, xilogravura colorida, 2017.

A poética de sua gravura está ligada a uma visão ambivalente da realidade, um olhar compartilhado entre dois mundos: aquele que queremos enxergar, usufruindo das boas coisas que nos oferece, e aquele mundo paralelo, para o qual preferirmos fazer vista grossa, desviando nosso foco para o que está diante de nós e sobre o que evitamos pensar. Podemos constatar que este mundo é retratado pelo artista através da ausência da cor e da utilização apenas do preto e do branco, mantendo a velha tradição da gravura expressionista brasileira onde, na maioria das vezes, tais cores – e, por que não dizer, não cores –revelam, por si só e ao mesmo tempo, essa escolha artística e sua inerente preocupação social.

Ao retratar um mundo em cores vibrantes e alegres, típicas da bela xilografia nordestina – que  nos traz à lembrança o universo mágico de J.Borges em sua xilografia popular -, Diego Sann propõe uma reflexão sobre aquilo que não é retratado e que gostaríamos que não fizesse parte de nosso mundo, mas que lá está,  presente, dividindo a mesma rua, a mesma praça e o espaço urbano como um todo. Falo das pessoas humildes, dos burros sem rabo, dos catadores de papel e de lixo reciclado, dos motoboys e dos empregados do comércio, que insistem em atrapalhar nossas fotos e selfs retratando as fachadas coloridas dos sobrados restaurados de Fortaleza, como se a  cidade não tivesse seu lado B, um mundo preto e branco, triste e miserável. Diego Sann usa a cor como um divisor de águas, que delimita e identifica o espaço pictórico entre a riqueza e a pobreza, entre a beleza e a luta pela sobrevivência. O uso da cor expressa sua visão positiva da vida, da alegria, dos amigos, da família e do otimismo, enquanto o preto e branco evidenciam a miséria, a escassez, a tristeza, a pobreza e as dificuldades frente às vicissitudes de um mundo cada vez mais cruel.

DIEGO SANN: “Iniciativa de sobrevivência VII”, xilogravura colorida, 2018.
DIEGO SANN: “Iniciativa de sobrevivência VII”, xilogravura colorida, 2018.

Sua série Iniciativa de sobrevivência, que vem sendo composta nos últimos anos, revela-nos  uma visão e  preocupação sociais através da exposição e contra posição dos valores pictóricos representados por signos visuais, onde a cor e a não-cor – como se o preto e o branco não fossem cor – são a forma de reconhecermos a riqueza e a pobreza, a miséria e a abundância, o ideal e o real. Na gravura Iniciativa de sobrevivência VI podemos observar claramente essa ambivalência, onde a beleza de um sobrado de inspiração art nouveau colorido e gracioso, testemunho ocular da história, observa, impassível, a vida dos trabalhadores mais humildes, que a cada dia tornam-se ainda mais invisíveis no mundo atual. Ao fundo, vemos o progresso representado por edifícios modernos, sem mais espaço para aqueles que não tiveram acesso à educação, e onde o sol e o céu azul de uma Fortaleza outrora caipira há muito deixou de brilhar para todos.

A gravura de Diego Sann nos encanta por sua composição figurativa, pelo traço preciso de seu buril e pelo resgate de uma arquitetura muitas vezes desapercebida pelos trabalhadores, preocupados somente no ir e vir dos grandes centros urbanos, sem que façam uma pausa para olhar a beleza pitoresca de um passado que, em determinado momento da  história, se propôs a anunciar um futuro promissor a todos. O resgate histórico do registro destas construções é mais uma reflexão que o artista nos convida a fazer diante da importância que representa a cultura e o patrimônio histórico, configurando-se num testemunho inequívoco de seu crescimento e desenvolvimento.

A obra de Diego Sann é mais uma demonstração da universalidade da arte, pois pode ser compreendida e fruída por cidadãos de qualquer lugar do mundo. Sua mensagem e preocupação social não são novas na história da arte; são, porém, originais, ao transpor para suas gravuras uma poética que nos emociona e nos sensibiliza profundamente.

Julio Reis
Mestre em História e Crítica da Arte
Escola de Belas Artes / UFRJ

EXPOSIÇÃO “RUGENDAS: UM CRONISTA VIAJANTE” NA CAIXA CULTURAL SP

  Poucos artistas estrangeiros que estiveram no Brasil,  conhecidos como pintores viajantes, conseguiram  a notoriedade que  Rugendas recebeu ao desembarcar por aqui em sua segunda visita. Foi recebido com honras jamais alcançadas até então por qualquer outro artista que tenha produzido uma grande ... leia mais

© Copyright 2010 - Todos os direitos reservados - Made with WordPress