O Papel da Arte

Guignard, Alberto da Veiga

Alberto da Veiga Guignard também produziu raras gravuras águas-forte na técnica ponta-seca da série A Paixão de Cristo.

Alberto da Veiga Guignard (1896-1962) foi um pintor, desenhista, ilustrador e gravador brasileiro. Pintou oníricas paisagens de Minas Gerais. Foi um dos expoentes da pintura modernista brasileira.

Alberto da Veiga Guignard (1896-1962) nasceu em Nova Friburgo, Rio de Janeiro, no dia 25 de fevereiro de 1896. Além de nascer com o lábio leporino, teve uma vida cheia de episódios trágicos, a começar pelo suicídio do pai. Depois de viúva, sua mãe uniu-se a um barão alemão, bem mais jovem e falido. Com ele mudou-se para a Europa, em 1907, levando Guignard. Teve o incentivo da mãe para se desenvolver nas artes.

Entre 1917 e 1918, Guignard estudou pintura na Academia de Belas Artes de Munique, onde foi aluno de Hermann Groeber e de Adolf Hengeler. Estudou em Florença e participou do Salão de Outono, em Paris. Três anos depois, o pintor regressa ao Brasil. Em 1921 volta para a Europa. Tem um casamento relâmpago com uma estudante de música, que o abandonou ainda na lua de mel. Em 1926 perde a mãe, em seguida a irmã. A essa altura, a família não tinha mais dinheiro.

Em 1929, Alberto da Veiga Guignard retorna ao Brasil sem nenhum dinheiro. Contou com bom trânsito entre intelectuais e políticos, entre eles, o pintor Ismael Nery e os políticos Pedro Aleixo e Juscelino Kubitschek, que o incentivaram a persistir na pintura. Em 1930 abre um ateliê no Jardim Botânico. Em 1931 participa do Salão Revolucionário, quando é destacado pelo escritor Mário de Andrade, como uma das revelações da mostra. Nesse mesmo ano dedica-se ao ensino de desenho e gravura na Fundação Osório, no Rio de Janeiro.

Entre os anos de 1940 e 1942 vive em um hotel em Itatiaia. Em 1941, integra a Comissão Organizadora da Divisão de Arte Moderna do Salão Nacional de Belas Artes, com o arquiteto Oscar Niemeyer e Aníbal Machado. Em 1943, cria o Grupo Guignard, que realiza uma única exposição, realizada no Diretório Acadêmico da Escola Nacional de Belas Artes. A escola, que foi fechada por alunos conservadores e reaberta na Associação Brasileira de Imprensa.

Em 1944, a convite de Juscelino Kubitschek, na época, prefeito de Belo Horizonte, instala um curso de desenho e pintura no Instituto de Belas Artes e muda-se para Belo Horizonte, quando começa a lecionar e dirigir o curso, por onde passam Amílcar de Castro, Farnese de Andrade e Lygia Clark, entre outros. Em 1962, a escola instalada em Belo Horizonte, em sua homenagem, passa a se chamar Escola Guignard.

Alberto da Veiga Guignard viveu em meio às dificuldades financeiras, mas produziu uma obra de notável apuro técnico, que sobressai pela delicadeza dos traços e pela pureza de tons com os quis construía as paisagens mineiras sempre envoltas em uma atmosfera de sonhos. O apuro técnico de seu processo artesanal possibilitava as límpidas nuances que lhe são características. Antes de começar uma pintura, ele cobria a tela com uma tinta cinza, com o objetivo de garantir maior unidade e ao mesmo tempo contraste entre as cores – uma técnica adotada pelos renascentistas.

Alberto da Veiga Guignard faleceu em Belo Horizonte, Minas Gerais, no dia 25 de junho de 1962.

Fonte: https://www.ebiografia.com/alberto_da_veiga_guignard

Obras à venda:

ALBERTO DA VEIGA GUIGNARD: "Sem título" (O beijo de Judas), gravura em metal, ponta-seca, 1939. Outro exemplar existente no acervo da Pinacoteca de SP.
ALBERTO DA VEIGA GUIGNARD: “Sem título” (Jesus entre as mulheres), gravura em metal, ponta-seca, 1939. Outro exemplar existente no acervo da Pinacoteca de SP.

Sem título” – (Jesus entre as mulheres), 1939.
Gravura em metal, ponta seca.
Tiragem: 09/10
Dimensão imagem: 10,8cm x 7cm
Dimensão da folha: 26cm x 17,3cm
Obs: Assinatura a naquim e outra assinatura na dedicatória “Offerece ao Senhor Floriano Bicudo, sinceramente, Guignard.” Bicudo é o autor do livro “Primeiras manifestações da gravura no Brasil”.
Procedência: Ciro Carpentieri Neto, Belo Horizonte, MG, que herdou do pai.
R$ 5.000,00


 ALBERTO DA VEIGA GUIGNARD: "Sem título" (Jesus entre as mulheres), gravura em metal, ponta-seca, 1939. Outro exemplar existente no acervo da Pinacoteca de SP.
ALBERTO DA VEIGA GUIGNARD: “Sem título” (O beijo de Judas), gravura em metal, ponta-seca, 1939. Outro exemplar existente no acervo da Pinacoteca de SP.

“Sem título” – (Jesus entre as mulheres), 1939.
Gravura em metal, ponta seca.
Tiragem: 09/10
Dimensão imagem: 10,8cm x 7cm
Dimensão da folha: 26cm x 17,3cm
Obs: Assinatura a naquim e outra assinatura na dedicatória “Offerece ao Senhor Floriano Bicudo, sinceramente, Guignard.” Bicudo é o autor do livro “Primeiras manifestações da gravura no Brasil”.
Procedência: Ciro Carpentieri Neto, Belo Horizonte, MG, que herdou do pai.
R$ 5.000,00

O MERCADO DE FALSIFICAÇÃO DE OBRAS DE ARTE

Infelizmente em nosso País, sobretudo os grandes mercados de arte do Rio de Janeiro e de São Paulo, continuam a comercializar centenas de obras de arte em papel ou óleo, que são falsificações de grandes artistas brasileiros, causando um prejuízo financeiro a ... leia mais

© Copyright 2010 - Todos os direitos reservados - Made with WordPress