O Papel da Arte

O Rio Antigo e o processo de produção das gravuras de Debret e Rugendas

COMO FORAM EXECUTADAS AS GRAVURAS DE DEBRET E RUGENDAS SOBRE O RIO DE JANEIRO ?

As gravuras de Debret e Rugendas que retratam o Rio de Janeiro, sobretudo o que chamamos de Rio Antigo nos dias de hoje, são motivo de orgulho para todos os brasileiros, em especial para os moradores da antiga sede da corte Imperial onde Dom João VI, Dom Pedro I e Dom Pedro II governaram o Brasil de 1808 a 1889. Hoje essas gravuras constituem-se no mais importante conjunto iconográfico e histórico daquele tempo, retratando a jovem sociedade brasileira em seus mais diferentes aspectos sociais.

"Aclamação de Pedro II", gravura a partir do desenho original de Debret. Litografada por Thierry Frères em Paris.

“Aclamação de Pedro II”, gravura a partir do desenho original de Debret. Litografada por Thierry Frères em Paris.

 

Debret veio com a Missão Francesa para a corte de Dom João VI. Retornou   a Paris em 1831 onde veio a falecer em 1848. Deixou para sua família um volume muito grande de desenhos e aquarelas  que foram adquiridos parcialmente em 1939 por Raymundo Ottoni de Castro Maya, colecionador e mecenas que doou suas duas residências para o Governo Federal onde hoje funcionam o Museu da Chácara do Céu e o Museu do Açude, ambos na Cidade do Rio de Janeiro e guardiães da maior coleção de obras do artista. Já Rugendas, ao retornar para a corte alemã,  vendeu o conjunto de sua obra para o Rei Maximiliano II da Baviera em troca de pensão vitalícia, perdendo-a anos depois por não realizar produção pictórica com base em seus trabalhos americanos, tal como havia acordado. Tanto Debret quanto Rugendas foram os principais formadores da imagem de um Brasil até então desconhecido pelos europeus e suas litografias eternizaram no subconsciente coletivo dos brasileiros toda a compreensão da história do Brasil colônia e império.

No entanto, a obra de Debret constitui-se na mais importante contribuição para a história iconográfica de nosso País através da publicação da “Viagem Pitoresca e Histórica ao Brasil”, originalmente batizada como ”Voyage pittoresque et historique au Brésil, ou Séjour d’un artiste français au Brésil, depuis 1816 jusqu’en 1831 inclusivement, époques de l’avènement et de l’abdication de S. M. D. Pedro Ier. Fondateur de l empire brésilien.” A obra foi publicada em Paris pela Oficina de Tipografia do Impressor Firmin Didot Frères, a mais importante da época,  em 26 fascículos, entre os anos de 1834 e 1839, formando um conjunto de 3 volumes.  Cada fascículo continha 6 pranchas acompanhadas de texto explicativo. O primeiro volume, lançado em 1834, é composto de 36 pranchas dedicadas   aos índios e 12 pranchas dedicadas à natureza; o segundo volume, lançado em 1835, é composto por 49 pranchas e dedicado à vida urbana na jovem metrópole e aos costumes do Rio de Janeiro e seus arredores; o terceiro volume, lançado em 1839, é composto por 54 pranchas e voltado para os costumes da capital com destaque para a Corte e as elites,  tratando de cenas do cotidiano e das manifestações culturais como as festas religiosas e as tradições populares. Os exemplares da Viagem pitoresca foram impressos, em sua maioria, com as gravuras em preto e branco, embora tenham sido produzidos alguns raros exemplares coloridos. Muitos compradores contratavam posteriormente artistas para colorir seus exemplares. Segundo o historiador Rubens Borba de Morais, a obra não vendeu bem ao ser lançada e parece que boa parte dela, não encadernada, permaneceu durante décadas no depósito do impressor por falta de compradores,  sendo vendida como papel velho. Durante o período em que foi lançada a obra,  cada fascículo com 6 pranchas em preto e branco custava 8 francos e os exemplares coloridos 16 francos. Oficialmente sabemos que a tiragem da Viagem Pitoresca foi de apenas 200 exemplares porém muitos estudiosos da obra de Debret acreditam que esse número não é confiável devido ao grande número de exemplares que chegaram completos  até os dias de  hoje e que estão presentes em diversas bibliotecas e instituições públicas e privadas espalhadas pelo mundo.

"Rue Droite à Rio Janeiro" atual Rua 1º de Março no Rio de Janeiro. Gravura original de Rugendas, reproduzida pelo litógrafo Adam Victor (1801-1866) e impressa na oficina tipográfica Engelman, para o livro Viagem Pitoresca ao Brasil.

“Rue Droite à Rio Janeiro” atual Rua 1º de Março no Rio de Janeiro. Gravura original de Rugendas, reproduzida pelo litógrafo Adam Victor (1801-1866) e impressa na oficina tipográfica Engelman, para o livro Viagem Pitoresca ao Brasil. Note-se que todos os artistas envolvidos na produção da gravura, o autor, o litógrafo e o impressor têm seus nomes registrados na gravura, como era de costume na época.

 

Já o alemão Johann Moritz Rugendas (1802-1858), assinou contrato de viagem aos 19 anos com o Consul Russo Langsdorff  para tomar parte em sua expedição científica pelo Brasil como desenhista-ilustrador. Viajou por vários estados brasileiros e publicou em Paris entre 1827-1835 o livro “Viagem Pitoresca ao Brasil” composto por 100 litografias retratando nosso país em seus mais diversos aspectos numa edição bilíngue francês-alemão, intitulada “Voyage Pittoresque dans le Brésil “. Pensado como livro de viagem dirigido ao grande público, contou com a participação de 22 litógrafos e de Victor Aimé Huber na preparação dos textos . Até hoje é considerado junto com o livro de Debret um dos mais importantes documentos iconográficos sobre o Brasil do século XIX. Ao contrário de Debret que publicou uma obra dividida em três volumes e originalmente vendida em fascículos, a obra de Rugendas foi publicada em apenas um volume, mas também vendida em fascículos colecionáveis,  contendo as seguintes subdivisões: paisagens, tipos e costumes, usos e costumes dos índios, a vida dos europeus, europeus na Bahia e em Pernambuco, usos e costumes dos negros.  A obra sofreu críticas por seu caráter pouco documental porém alcançou sucesso junto ao grande público, circulando no Brasil em edição francesa, talvez por causa da maneira benevolente com que retrata a sociedade oitocentista.

Rugendas: "Caravana de mascates em direção à Tijuca", litogravura original em preto e branco.

Rugendas: “Caravana de mascates em direção à Tijuca”, litogravura original em preto e branco.

Rugendas: "Caravana de mascates em direção à Tijuca", litogravura original colorida posteriormente.

Rugendas: “Caravana de mascates em direção à Tijuca”, litogravura original colorida posteriormente.

 

É na década de 1930 que os brasileiros descobririam Debret e posteriormente Rugendas. Seus livros ficaram na moda, suas pranchas foram emolduradas para embelezarem as mais finas residências. Os preços subiram escasseando os originais do século XIX e dá-se início à reprodução maciça de suas imagens.

A PRODUÇÃO DAS GRAVURAS DE DEBRET NO ATELIÊR DE FIRMIN DIDOT FRÈRES EM PARIS

Como o processo de impressão das gravuras de Debret e Rugendas é o mesmo utilizado, a litografia,  iremos então nos dedicar à impressão da obra de Debret. A Oficina Litográfica Firmin Didot Frères era uma das mais prestigiadas de Paris. Para lá os maiores artistas do período levavam seus originais para que fossem convertidos em gravuras pelos funcionários artistas que trabalhavam na oficina.  O processo era relativamente simples: o artista  da oficina, subdividos em classes (desenhista de pessoas, desenhista de animais, desenhista de natureza, desenhista de gênero, aquarelista etc) copiava fielmente a obra e desenhava/gravava a imagem na pedra litográfica. Após esse desenho ser gravado nessa pedra, já devidamente assinado com o nome do autor do desenho (Debret), o nome do impressor e o nome dos artistas responsáveis pela reprodução, era enfim levado para a prensa. Após a impressão em papel a obra era colorida ou não.  Ao contrário do final do séc. XIX e XX quando as gravuras passam a ser assinadas pessoalmente a lápis pelos artistas, esse hábito não existia antes, sendo portanto aceita a assinatura do artista na própria chapa de impressão assim como dos artistas que  participaram da produção litográfica. Muitos estudiosos apontam hoje como sendo o próprio Debret quem desenhou as imagens nas pedras litográficas referentes ao 2º e 3º volume da Viagem Pitoresca, pois no contrato de produção firmado com Firmin Didot, ele se comprometia a entregar as pedras litografadas prontas para a impressão.

SAIBA O QUE É UMA GRAVURA ORIGINAL DE DEBRET/RUGENDAS E UMA REPRODUÇÃO

É considerada original toda a gravura de Debret que foi impressa para compor a obra Viagem Pitoresca ao Brasil. No entanto suas gravuras foram reproduzidas posteriormente em outros livros de outros artistas que visitaram o Brasil – como artistas/pintores viajantes – no mesmo período ou posterior, sendo portanto consideradas cópias e não originais da obra para a qual foram produzidas. O mesmo vale para as gravuras de Rugendas.

"Caboclo, índio civilizado", gravura original de Debret para o livro Viagem Pitoresca e histórica ao Brasil.

“Caboclo, índio civilizado”, gravura original de Debret para o livro Viagem Pitoresca e histórica ao Brasil.

Cópia da gravura original de Debret "Caboclo, índio civilizado", impressa num livro de viagens do século XIX contemporâneo à obra original de Debret.

Cópia da gravura original de Debret “Caboclo, índio civilizado”, feita por S. Montaut para ilustrar o livro de Ferdinand Denis 1798-1890 “Bresil par Ferdinand Denis. Colombie et Guyanes par M.C. Famin. num livro de viagens do século XIX contemporâneo à obra original de Debret.

 

No ato da compra de uma gravura original de Debret ou Rugendas, é muito importante que se saiba as dimensões originais da obra, se há ou não marca d´água, os nomes dos artistas nas margens, o papel utilizado naquela época e também a boa procedência, um item fundamental na compra de uma obra de arte para se ter a segurança de que está adquirindo uma obra original.

É possível ainda nos dias de hoje adquirir no mercado de arte as gravuras originais dos álbuns de Debret e Rugendas por valores que oscilam R$ 1.500,00 e R$ 3.000,00. As gravuras originalmente impressas em preto e branco são menos valiosas do que as coloridas porém os preciosistas preferem as originais, tal como foram impressas lá na oficina de Firmin Didot. É difícil determinar o período em que as gravuras foram coloridas mas a própria pátina do tempo nos revela se uma gravura foi colorida recentemente ou se é muito antiga.

Ser proprietário de uma gravura original de Rugendas ou Debret é antes de mais nada ser o depositário fiel da história do Brasil pendurada orgulhosamente na parede de sua casa.

JULIO REIS

P.S. Julio Reis é colecionador e gestor do site www.opapeldaarte.com.br

Marília Rodrigues e a gravura brasileira

"Toda vez que tenho vontade de interferir num trabalho de um aluno procuro me lembrar que não é produzindo por ele, indicando minhas soluções plásticas, que vou fazê-lo crescer como indivíduo e artista. "   Marília Rodrigues, artista gravadora.   Há 20 anos atrás a ... leia mais

© Copyright 2010 - Todos os direitos reservados - Made with WordPress