O Papel da Arte

Sadeler, Egidio (1570-1629)

Egídio Sadeler foi um membro da família Sadeler extremamente talentoso, e, junto com seus tios Jan (1550-1600) e Rafael (1560-1632) foi um artista cujo papel na escola maneirista holandesa do final do séc. XVI e início do séc. XVII é visto hoje como fundamental para o florescimento da gravura holandesa do período. Foi nomeado Gravador Oficial por três sucessivos imperadores Habsburgo em Praga e Viena, ajudou a difundir a arte na corte dos Habsburgo e, especialmente, os artistas de Rodolfo II, particularmente Hans van Aachen e Batholomeus Spranger, em toda a Europa. Joachim von Sandrart, escreveu no séc. XVII, 40 anos após a morte de Egídio, que chamava-o de “um Phoenix entre os gravadores”, e estudos recentes de críticos do período tendem a concordar.

Egídio Sadeler foi aprendiz de seu tio Jan, um artista importante da Escola de Antuérpia (que incluía também Cornelis Cort, Philips e Theodore Galle, Jan e Adrien Collaert, e Jerônimo, Jan, e Anthonie Wierix), que produziu muitas gravuras após os desenhos de Marten de Vos e outros para o editor Christopher Plantin antes de se tornar um editor (junto com seu irmão Raphael) de sua própria obra. No final de 1580, a família deixou a Antuérpia e foi para a Alemanha onde Jan se tornou mestre impressor do duque Wilhelm V da Baviera, trabalhando em sua própria corte em Munique. Após a visita de Hendrik Goltzius, Egídio parece ter feito uma viagem para a Itália entre 1591 e 1593, onde, segundo Limouze, ele ficou em Veneza, Verona, Roma e Florença, talvez. Em Roma, trabalhou com Joseph Heintz, também um dos pintores imperiais de Rudolf II, que pode ter sugerido a própria nomeação de Egídio para a corte de Rodolfo II em 1597.

Obra à venda:

"Cabeça de anjo olhando para o alto", gravura a buril, Egidio Sadeler.

“Cabeça de anjo olhando para o alto”
Gravura a buril, 1598.
23,5cm x 36,5cm
R$ 1.500,00

Nota: no verso da gravura existe um carimbo com a inscrição “Irmãos Vallardi”  (Pietro Giuseppe and Francesco Santo) de meados do século XIX quando a coleção foi vendida (1861).

 

 

O RIO NA GRAVURA DE OSCAR ROTHKIRCH

  "O Brasil é a minha segunda pátria; e daqui, se Deus quizer, não sairei jamais." Oscar Rothkirch       Dentre os muitos artistas que estiveram no Brasil na primeira metade do século passado,  um em especial continua até hoje desconhecido entre os estudiosos da gravura e completamente ... leia mais

© Copyright 2010 - Todos os direitos reservados - Made with WordPress