O Papel da Arte

Sadeler, Egidio (1570-1629)

Egídio Sadeler foi um membro da família Sadeler extremamente talentoso, e, junto com seus tios Jan (1550-1600) e Rafael (1560-1632) foi um artista cujo papel na escola maneirista holandesa do final do séc. XVI e início do séc. XVII é visto hoje como fundamental para o florescimento da gravura holandesa do período. Foi nomeado Gravador Oficial por três sucessivos imperadores Habsburgo em Praga e Viena, ajudou a difundir a arte na corte dos Habsburgo e, especialmente, os artistas de Rodolfo II, particularmente Hans van Aachen e Batholomeus Spranger, em toda a Europa. Joachim von Sandrart, escreveu no séc. XVII, 40 anos após a morte de Egídio, que chamava-o de “um Phoenix entre os gravadores”, e estudos recentes de críticos do período tendem a concordar.

Egídio Sadeler foi aprendiz de seu tio Jan, um artista importante da Escola de Antuérpia (que incluía também Cornelis Cort, Philips e Theodore Galle, Jan e Adrien Collaert, e Jerônimo, Jan, e Anthonie Wierix), que produziu muitas gravuras após os desenhos de Marten de Vos e outros para o editor Christopher Plantin antes de se tornar um editor (junto com seu irmão Raphael) de sua própria obra. No final de 1580, a família deixou a Antuérpia e foi para a Alemanha onde Jan se tornou mestre impressor do duque Wilhelm V da Baviera, trabalhando em sua própria corte em Munique. Após a visita de Hendrik Goltzius, Egídio parece ter feito uma viagem para a Itália entre 1591 e 1593, onde, segundo Limouze, ele ficou em Veneza, Verona, Roma e Florença, talvez. Em Roma, trabalhou com Joseph Heintz, também um dos pintores imperiais de Rudolf II, que pode ter sugerido a própria nomeação de Egídio para a corte de Rodolfo II em 1597.

Obra à venda:

"Cabeça de anjo olhando para o alto", gravura a buril, Egidio Sadeler.

“Cabeça de anjo olhando para o alto”
Gravura a buril, 1598.
23,5cm x 36,5cm
R$ 1.500,00

Nota: no verso da gravura existe um carimbo com a inscrição “Irmãos Vallardi”  (Pietro Giuseppe and Francesco Santo) de meados do século XIX quando a coleção foi vendida (1861).

 

 

A XILOGRAFIA POPULAR DO NORDESTE E ALGUNS CASOS DE INTERCÂMBIO FORMAL COM A ARTE ERUDITA

Mario Barata Um estudo sobre a gravura brasileira não pode deixar de examinar alguns dos contatos que no século XX existiram entre a xilo popular e a arte erudita. A partir de colecionamentos básicos, como os da Fundação Casa de Rui Barbosa (RJ), ... leia mais

© Copyright 2010 - Todos os direitos reservados - Made with WordPress