O Papel da Arte

Samico, Gilvan

Gilvan Samico

Gilvan José Meira Lins Samico (Recife 1928 –  Recife, 2013). Gravador, pintor, desenhista, professor. Em 1952, Gilvan Samico funda, juntamente com outros artistas, o Ateliê Coletivo da Sociedade de Arte Moderna do Recife – SAMR, idealizado por Abelardo da Hora (1924). Estuda xilogravura com Lívio Abramo (1903 – 1992), em 1957, na Escola de Artesanato do Museu de Arte Moderna de São Paulo – MAM/SP. No ano seguinte, transfere-se para o Rio de Janeiro, onde cursa gravura com Oswaldo Goeldi (1895 – 1961) na Escola Nacional de Belas Artes – Enba. Possuidor de grande domínio técnico, dedica-se à realização de texturas elaboradas com ritmos lineares em seus trabalhos. Em 1965, fixa residência em Olinda. Leciona xilogravura na Universidade Federal da Paraíba – UFPA. Em 1968, com o prêmio viagem ao exterior obtido no 17º Salão Nacional de Arte Moderna, permanece por dois anos na Europa. Em 1971, é convidado por Ariano Suassuna a integrar o Movimento Armorial, voltado à cultura popular nordestina e à literatura de cordel. Sua produção é marcada pela recuperação do romanceiro popular nordestino, por meio da literatura de cordel e pela utilização criativa da xilogravura. Suas gravuras são povoadas por personagens bíblicos e outros, provenientes de lendas e narrativas locais, assim como por animais fantásticos e míticos. Com a apresentação de uma nova temática, introduz uma simplificação formal em seus trabalhos, reduzindo o uso da cor e das texturas.

Fonte:  www.itaucultural.org.br

Obras à venda:

 

"Homem e cavalo", 1958. Xilogravura original, prova do artista, de GILVAN SAMICO.

“Homem e cavalo”, 1958. Xilogravura original, prova do artista, de GILVAN SAMICO.

 
Homem e cavalo”, 1958.
Xilogravura impressa s/ papel.
Exemplar Prova do Artista
Dimensão da Imagem: 24cm x 35,5cm
Dimensão da folha: 36cm x 48cm
VENDIDA 

ANNA LETYCIA E A REVOLUÇÃO SILENCIOSA

      Os anos 50, nas artes plásticas brasileiras, foram marcados por mudanças drásticas, particularmente pela ruptura com a tradição modernista nascida em 1922. Mas, se a pintura e a escultura logo aderiram à linguagem geométrica do Concretismo, a gravura, com raríssima exceção, avaliou ... leia mais

© Copyright 2010 - Todos os direitos reservados - Made with WordPress