O Papel da Arte

SERIGRAFIA

"Suíte Manequim n.4" Serigrafia 31/100, Iberê Camargo

O processo de impressão da serigrafia ou silk screen começa ao se esticar a seda num chassi. As partes em que não se quer deixar a tinta atravessar a seda, são vedadas de diversas maneiras, com verniz, estêncil ou um simples papel. Pode ser usado estêncil fotográfico. Estampa facilmente grande quantidade de cópias.  Não é necessário o auxílio da prensa para a impressão. O papel é colocado em superfície plana e sobre  ele o chassi. A tinta é posta num dos lados do chassi, em que está bloqueada a sua passagem. Ela é puxada, com um rodo de borracha, por toda a superfície da seda esticada. Onde não encontra passagem obstruída, a tinta atravessa a seda e se transfere para o papel.

Quando a tinta é grossa demais fica com marcas da trama da seda, quase que um relevo. Não tem características próprias.  É um método de multiplicação de provas, mais fácil de se executar  e de imprimir que a xilo, o metal, a lito; seu custo é mais barato, estampa mais facilmente um maior número de cópias. De modo geral, a tinta fica sobre o papel, em camada espessa, opaca, não participando do mesmo, mas podem também ser usadas tintas ralas. A maioria das impressões é feita em superfícies chapadas, mas pode ser usado craiom gorduroso ou acerado, ou serem vaporizados vernizes para obstruir a seda, ou superfícies que criem cracle, para se imprimirem texturas.

Fonte:

DASILVA, Orlando. A Arte maior da Gravura: participação gráfica de Marcello Grassmann. São Paulo, ESPADE, 1976.

Zé Igino e seu universo lúdico na gravura em metal

Na gravura em madeira já é conhecido o trabalho do artista popular, principalmente daqueles do Nordeste,  porém na gravura em metal é um caso mais raro, e este é um dos pontos de interesse da obra José Igino. Enquanto os artistas populares ... leia mais

© Copyright 2010 - Todos os direitos reservados - Made with WordPress