O Papel da Arte

Steiner, Hans

Hans Steiner  (1910-1974)

Hans Steiner nasceu em Graz, na Austria em 1910 e faleceu em Gorizia, Italia em 1974. Foi desenhista, pintor e gravador. Participou do movimento da gravura artística no Brasil tão logo chegou aqui se tornando em 1939, aluno de Carlos Oswald, seu grande mentor. Expôs em vários salões e espaços públicos como o Salão Nacional de Belas Artes do qual participou em várias edições, Galeria Ibeu Copacabana, Salão Paulista de Belas Artes, Galeria Prestes Maia – São Paulo, Museu de Artes Visuais Ruth Schneider – Passo Fundo entre outros.

Segundo Paulo Vergolino, o mais importante pesquisador do artista, a obra de Steiner está ligada à presença do homem e da mulher em seu trabalho e principalmente de pessoas negras que são uma particularidade da obra deste artista. Steiner encontrava já nesta época, um Rio de Janeiro formado por brancos, negros, pardos, índios e mulatos. Ele busca essa nova realidade e se atira em locais pouquíssimos visitados por artistas – como penitenciárias, em busca de modelos.  

Em 1939 dá-se o início das viagens de Steiner: vai à Serra dos Órgãos e executa trabalhos referentes à montanha conhecida como Dedo de Deus. Vai à Petrópolis no ano seguinte e em 1946 já se encontra em Minas Gerais dando sequência a sua série de gravuras sobre o animal que mais o encanta: o urubu. Em 1946 Steiner volta à Áustria após iniciar no Brasil seu ciclo de gravuras diminutas.  Grava temas inspirados ou diretamente ligados ao rio Soberbo, um manancial que corta a cidade de Guapimirim no estado do Rio de Janeiro e que pela quantidade de cachoeiras existentes foi foco de atração do artista.

Em 1960 percebemos que Steiner já esgotou seu cabedal de colonizadores e parte em busca de outras sociedades, embrenhando-se país adentro em busca da cultura indígena e passa a visitar aldeias de índios. Não há limites para o artista:  percorre estradas, rios e cruza fronteiras de avião atrás de novos temas para suas pinturas e gravuras. Por lá,  e sentindo-se acolhido, o artista executa muitos croquis que depois transformam-se em gravuras: o timbó (cipó usado para envenenamento de peixes), a colheita do algodão, as representações de lendas e costumes dos povos colonizados estão todos lá representados em suas obras. As regiões do Araguaia e do Xingu lhe presenteiam com novas inspirações para suas gravuras, desenhos e aquarelas, repetindo assim o mesmo encanto experimentado pelo olhar dos antigos artistas viajantes do século XIX.

Nos últimos anos de sua vida, Steiner  muda-se para a cidade de Gorizia porém ainda em 1969 volta pela última vez ao Brasil. Em 2016 o artista foi homenageado com uma grande retrospectiva de sua obra no Musei Provinciali de Gorizia, cidade italiana onde passou seus últimos dias.

 

Obras à venda:

HANS STEINER: "Vista do Rio de Niterói", gravura em metal, ponta-seca, 1954.

HANS STEINER: “Vista do Rio de Niterói”, gravura em metal, ponta-seca, 1954.

Rio de Niterói“, 1954.
Gravura em metal, ponta-seca.
Dimensão imagem: 13,7cm x 8,5cm
Dimensão da folha: 29,5cm x 22,5cm
R$ 350,00

 

HANS STEINER: "Mata pau", 1949. Gravura em metal, ponta seca.

HANS STEINER: “Mata pau”, 1942. Gravura em metal, ponta seca.

“Mata Pau”, 1942.
Rara gravura em metal, água forte, com a dedicatória “Dedicado ao amigo Dr. Paulo Barros, 1942.”
Medida interna: 22cm x 36cm
Medida externa:35cm x 49,5cm
Assinada na chapa e canto inferior direito.
R$2.500,00

 

HANS STEINER: "Rio Soberbo", 1949.  Gravura em metal de Hans Steiner, feita especialmente para o Clube dos Glifófilos, o primeiro clube de gravura do Brasil.

HANS STEINER: “Rio Soberbo”, 1949. Gravura em metal de Hans Steiner, feita especialmente para o Clube dos Glifófilos, o primeiro clube de gravura do Brasil.

“Rio Soberbo”, 1949.
Rara gravura em metal, feita sob encomenda para o Clube dos Glifófilos de São Paulo, em 1949.
Tiragem 28/100.
Medida interna:  19cm x 28cm
Medida externa:  37,5 x 47,5cm
Assinada na chapa e canto inferior direito.
R$ 3.500,00

 

"Serra dos Órgãos", 1938. Gravura em metal, água-forte, de Hans Steiner, impressa no ateliê de Carlos Oswald.

HANS STEINER: “Serra dos Órgãos”, 1938. Gravura em metal, água-forte,  impressa no ateliê de Carlos Oswald.

Serra dos Órgãos“, 1938.

Rara gravura em metal, água forte, assinada e datada na chapa e também assinada pelo artista a lápis no canto inferior direito com a seguinte observação ao lado do título: “Oficina Carlos Oswald”, o que leva a crer que foi impressa na prensa histórica usada por Carlos Oswald, seu professor. Observação rara de se encontrar numa gravura.
Dimensão imagem: 15,5cm x 22cm
Dimensão folha:   : 19,5cm x 29,6cm
R$ 2.500,00

 

"Pescador - Brasil", gravura em ponta seca, 1953, de Hans Steiner.

“Pescador – Brasil”, gravura em ponta seca, 1953, de Hans Steiner.

Pescador, Brasil“, 1953.
Gravura em metal.
Dimensão imagem: 6,5cm x 9,5cm
Dimensão folha:   19,5cm x 26cm
R$ 500,00


DE GOELDI AO ABSTRACIONISMO

A Fundação Bienal de São Paulo, publicou em novembro/dezembro de 1974, o livro “Mostra da Gravura Brasileira” e convidou os mais importantes criticos de arte para falarem um pouco sobre a história da gravura no pais, desde os primórdios da colônia até  a ... leia mais

© Copyright 2010 - Todos os direitos reservados - Made with WordPress