O Papel da Arte

XILOGRAVURA

"A tarde" - Oswaldo Goeldi

Há duas técnicas de xilogravura e o que lhe dá o nome é o modo como a madeira é cortada. Se cortada em tábuas, no sentido vertical da árvore em pé, ao comprimento de sua fibra, chama-se xilogravura de fibra. Se a madeira, para se fabricar o taco, foi cortada no sentido horizontal da árvore em pé, chama-se xilogravura de topo.

Xilogravura de fibra: o taco de madeira, do mesmo tamanho do desenho a ser gravado, é polido para receber o desenho, que é cavado, nas partes brancas, por instrumento cortante: goiva, formão, canivete. A madeira alta, não cortada pelo gravador, é que vai receber a tinta por intermédio de um rolo. Esta tinta será transferida ao papel.  A impressão pode ser feita à mão. Depois do papel assentado sobre o taco entintado, o mesmo é friccionado, pelas costas, com uma espátula  ou outro instrumento que se mostre capaz de pressionar o papel sem o rasgar. A colher de sopa é muito usada. Também pode ser impressa por prelo de rosca, tipográfico, até mesmo nas prensas calcográficas. Desde que haja a pressão necessária para retirar a tinta da madeira, a impressão da xilo se torna possível. Um das características de boa impressão, é quando os “pretos” conservam as características da fibra e nervuras da madeira.

Xilogravura de topo: como a de fibra, a madeira é polida e desenhada para receber a gravação que é feita com buril. A madeira do topo é muito mais unida, não apresenta fibra nem nervura, o que permite, ao buril, trabalhar traços mais delicados pois não o dificulta, no corte, a direção da fibra da madeira. Os traços cavados podem ser cortados quase juntos, resultando traços impressos também quase unidos. A impressão se dá da mesma forma da xilo de fibra.

Essa xilo trabalha mais com o traço que, mais ou menos separado, formam gamas de claro-escuro. Quando cortada com muita delicadeza dá, a olho nu, a ilusão que aguadas, e não traços, formam os valores. Os pretos são compactos, sem a respiração (pequenos espaços brancos) das nervuras, que servem para identificar a xilo de fibra.

Fonte:

DASILVA, Orlando. A Arte maior da Gravura: participação gráfica de Marcello Grassmann. São Paulo, ESPADE, 1976.

ENTREVISTA COM MONICA BARKI

  Monica Barki, uma das mais completas artistas brasileiras que surgiram nos anos 80 está com uma nova exposição que comecará no dia 09 de setembro na Galeria Acervo da Casa de Cultura da América Latina em Brasília. Sua nova série de desenhos ... leia mais

© Copyright 2010 - Todos os direitos reservados - Made with WordPress